O relógio

relógio_2016Olhava para o relógio como se, em qualquer momento, os ponteiros pudessem fugir do caminho que infinitamente trilhavam. Olhava para o relógio com a ansiedade de quem espera que a vida possa ter ainda alguma coisa para lhe oferecer. Olhava e via que podia ser; que o momento em que os ponteiros se encontrassem, finalmente, junto ao número 12, sobranceiro, cheio de si e de desejos de milhões de pessoas, seria, para ela o recomeço de tudo, o fim e, simultâneamente, o princípio, a morte e a vida numa única existência. Olhava para o relógio e acreditava. Começava mais um ano e tinha de acreditar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *