A casa

Fotografia de Mercuro B. Cotto in www.mymodernmet.com, via Pinterest (Joie Ling)

Fotografia de Mercuro B. Cotto in www.mymodernmet.com, via Pinterest (Joie Ling)

Tinha aquela má disposição que vem do nada e teima em não se dissipar. À medida que as horas se passaram, foi caindo sobre ela uma ansiedade que não conseguia explicar. Tudo o que lhe diziam era mal dito e, por isso, levavam uma resposta torta, à altura do seu mau humor. As tarefas domésticas, que costumava levar com bastante ligeireza e considerava até agradáveis, nesse dia, pareceram-lhe maçadoras, inúmeras e intermináveis. Era como se todo o peso daquela casa enorme e de tudo o que ela acarretava na resolução da sua vida lhe tivesse caído, sem aviso prévio e de uma só vez, nas costas. As escadas custavam-lhe a subir e a descer, parecendo, a cada degrau, que as pernas se tornavam mais e mais pesadas. Subir e descer. Subir e descer. A sua vida era feita de subir e descer. As mesmas escadas. As escadas daquela casa. Aquela casa que, agora, lhe caía em cima e pesava toneladas. Aquela casa que se tinha transformado numa âncora tão aferrada ao chão, que não a deixava mexer-se. Para lado nenhum.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *