Dou a palavra…

… a Fernando Pessoa. Bom domingo!

Natal

Nasce um deus. Outros morrem. A Verdade
Nem veio nem se foi: O Erro mudou.
Temos agora uma outra Eternidade,
E era sempre melhor o que passou.

Cega, a Ciência a inútil gleba lavra
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo deus é só uma palavra.
Não procures nem creias: tudo é oculto.

PESSOA, Fernando, Ficções do Interlúdio (edição de Fernando Cabral Martins) in Poemário Fernando Pessoa 2009, Assírio & Alvim

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *